60% das PME angolanas e cabo-verdianas têm software de gestão

As aplicações de fabricantes dominam, com a Primavera a liderar, segundo dados de um estudo da IDC.

Edificio-Millennium-Park_-onde-se-encontra-a-delegacao-da-PRIMAVERA-BSS-... Os valores de implantação de software de gestão de empresas não variam entre os dados da IDC sobre o mercado de Angola e os de Cabo Verde. Perto de 60% das PME dos dois países já adoptaram aplicações de negócio. Entre as grandes empresas, a penetração dessas aplicações é naturalmente maior, atingindo os 76%. Moçambique destoa com a taxa para as PME a ficar nos 43% e o grau do total do tecido empresarial a chegar aos 48%.

Os dados cedidos pela Primavera indicam o domínio das aplicações produzidas em Portugal, com aquele fabricante a liderar nesses países com quotas totais de 34% em Angola e Cabo Verde e 23% em Moçambique.

A PMR afirma-se nos dois países como o fornecedor com maior implantação, com uma quota de 3%, longe do primeiro mas muito perto dos terceiros, PHC e Excitos, detentores de 2%, cada um. Esta ganha mais quota em Moçambique com 8% do mercado.

O fabricante não português com maior presença é a Sage, no universo dos três países, com 9% em cada um dos mercados. Nestes termos, está equiparada à Oracle no segmento das grandes empresas em Moçambique, com 14%.

Em Angola, na mesma faixa das 100 maiores empresas, é a SAP que domina (depois da Primavera), com 13% de quota. No mercado cabo-verdiano acontece o mesmo, destacando-se também a quota de 8% da Excitos.

“O peso do mercado africano é cada vez mais expressivo no volume de negócios da Primavera”, diz José Dionísio.

De acordo com um comunicado da Primavera, as suas soluções são usadas por entidades como a Acticon, Cuca, Griner, De Beers, Score Media e KPMG em Angola. E pela Vale, DHL, Galp Energia, Grupo Visabeira, WaterAid e Africom em Moçambique. No arquipélago cabo-verdiano, têm implantação na Bolsa de Valores, nos Correios, Electra, Inpharma e na Rádio Televisão.

“O peso do mercado africano é cada vez mais expressivo no volume de negócios da Primavera, o que vem reforçar a nossa estratégia de investimento na modernização tecnológica e na sofisticação dos processos de gestão em Angola, Moçambique e Cabo Verde”, destaca José Dionísio, co-CEO da Primavera.

A empresa está presente em Portugal, Espanha, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Emirados Árabes Unidos, contando actualmente com cerca de 40 mil clientes.

A actividade internacional da empresa contribuiu com 8,3 milhões de euros para o total do volume de negócios alcançado em 2014, o que representa um peso de 45% e um crescimento de 14% face ao ano anterior.

Autores

Artigos relacionados

O seu comentário...

*

Top