7 ideias-chave para as estratégias de BI

O sucesso exige mais do que implantação de plataforma de tecnologia potente, requerendo um enfoque muito fino nos processos e recursos humanos.

Implantar a tecnologia de BI é a parte mais fácil de qualquer iniciativa nessa área, de acordo com Boris Evelson, vice-presidente e analista principal da Forrester Research. Gerir os recursos humanos e os processos envolvidos levanta desafios muito maiores, refere.

Além disso, as estratégias de BI devem ser trabalhadas para abordar a propriedade sobre dados e projectos e a melhoria contínua dos mesmos. Mas de acordo com vários especialistas em BI, perfilam-se sete componentes essenciais de qualquer estratégia de BI bem-sucedida,.

Deixar os unidades de negócio serem donos dos projectos 

As organizações que colocam o BI nas mãos dos utilizadores empresariais têm maiores taxas de sucesso do que aquelas que confinam o BI dentro da TI, diz Evelson. Isso pode significar incorporar BI dentro de linhas de negócio ou desenvolver relatórios de operações de BI aos Chief Digital Officers ou directores de cliente.

“O negócio deve estar ao comando”, acrescenta. As ferramentas actuais  são muito mais intuitivas, permitindo que possam ser implantadas directamente nas mãos dos utilizadores de negócio empresariais, de modo a executarem as consultas que lhes interessam.

Da mesma forma, a velocidade com que os utilizadores precisam de ter acesso a dados e perspectivas mais aprofundadas e derivadas de BI aumentou drasticamente nos últimos anos.

Monitorizar o uso de BI e ajustar conforme necessário

Quando o negócio já tem iniciativas próprias de BI, as TI devem continuar a ser um parceiro activo na monitorização e avaliação do uso de sistemas de BI. “Em vez de colocar obstáculos, importa monitorizar o que se está a fazer, saber que fontes de dados são usadas, conhecer as ferramentas utilizadas e como se está a usá-las, perceber porque a unidade de negócios A está usar mais o BI do que a unidade de negócios B”, considera o analista.

Desta forma o CIO notará quando as aplicações de BI registam um número crescente de utilizadores, quando se tornou um ambiente empresarial de missão crítica, e como tal requer disciplina e governo adicionais.

Validar, validar, validar

As organizações podem ser tentadas a implementar rapidamente muitas capacidades de BI, mas a qualidade tem de imperar sobre a quantidade, diz Chris Hagans, vice-presidente de operações da WCI Consulting, uma consultora focada em BI.

“É melhor ter menos coisas em que se confia do que ter um muitas que levantam dúvidas”, reforça. Como resultado, as organizações precisam de um forte processo de validação centrado em permitir o acesso a todos os dados necessários para responder a consultas.

Também deve evitar que dados problemáticos entrem no sistema de BI para não se produzirem ideias defeituosas. Além disso, o processo de validação deve ser suficientemente ágil para responder rapidamente aos pedidos de novas funções de BI. Hagans diz que a validação é crítica não só para garantir a precisão, mas também para evitar o cepticismo.

“Basta uma ou duas pessoas dizerem:” Não confio nos dados “, para invalidar um relatório.

Primeiro um problema de negócio e depois os dados

É arriscado apostar em desenvolver uma solução ficando à espera que depois os profissionais comecem a usá-la só por ela existir, adverte Evelson. “O que funciona muito melhor é uma abordagem de cima para baixo, ligada a resultados de negócio. Não se começa pela pergunta ‘onde estão os dados?’ Começa-se por tentar resolver um problema de negócio “, sublinha.

Depois de identificar um problema de negócio claro, interessa perceber que métricas queremos analisar, e depois, fala-se sobre onde obter os dados, considera Evelson.

Hierarquizar e construir processos de melhoria

Uma estratégia de BI bem sucedida prevê a expansão e melhorias no sistema, de acordo com vários líderes de operações de BI. Como tal, as organizações devem saber quais os pontos de vista que querem obter sobre as empresas e quais são os mais importantes para que o departamento de TI os poder entregar, focando-se no que é mais crítico para os utilizadores empresariais.

Além disso, o programa de BI deve poder mudar à medida que as prioridades mudam. Da mesma forma, a estratégia de BI deve construir processos para avançar e melhorar o funcionamento do sistema.

Evelson recomenda uma abordagem iterativa, para as ferramentas de BI poderem expandir e melhorar à medida que as unidades de negócios as usam. Importa também determinar como ela está a responder às necessidades e em que áreas não está.

Recorrer a cientistas de dados “sem canudo”

O “Quadrante Mágico para Business Intelligence e Plataformas Analíticas”, de 2017 diz que o número de cientistas de dados “amadores”, sem formação específica na área, crescerá cinco vezes mais rápido do que o número de cientistas de dados formados para a profissão, nos próximos anos.

Cindi Howson, vice-presidente de pesquisa da Gartner, diz que os executivos já reconhecem que não haverá cientistas de dados suficientes para as necessidades.

“Estamos a falar sobre profissionais analistas de informação intermédios. Eles conhecem o domínio comercial e as questões a serem feitas “, diz a analista. Há uma necessidade de software mais fácil de usar para as organizações poderem capacitar melhor esses trabalhadores.

Howson antecipa que as melhorias de software permitirão eventualmente os gestores de negócio fazerem e responderem questões, partindo de conjuntos de dados ainda por modelizar. Conforme isso acontecer, as organizações vão precisar das pessoas certas para assumir esse papel de cientista de dados “sem canudo”.

O perfil mais normal será o de um trabalhador curioso, com aptidões de analíticas, que goste de fazer perguntas, capaz de interpretar as informações extraídas utilizadores confortáveis de software para melhorar os resultados comerciais.

Contar histórias com dados

Numa nota semelhante, Todd Nash, presidente e director da CBIG Consulting, uma empresa de serviços profissionais que ajuda os clientes a aproveitarem os seus activos de dados, diz que já trabalhou com organizações onde os trabalhadores entendem como usar “insights” oferecidos por ferramentas de BI para contar histórias que ajudem os outros a entender “o que os dados estão a tentar dizer”.

Explica que esses profissionais usam as funções de relatório e visualização incorporadas nas tecnologias de BI para desenvolver narrativas capazes de ajudar a maximizar o valor da análise. Esses utilizadores podem estabelecer conexões com dados que outros podem não ver, oferecendo novos pontos de vista para as empresas poderem aproveitar os ganhos.

Considera que os executivos precisam de apoiar e habilitar esses trabalhadores, para poderem explorar essas ligações conexões e apresentarem as suas ideias.

Autores

Artigos relacionados

O seu comentário...

*

Top