Cloud obriga a aprendizagem constante

São necessários engenheiros de cloud, profissionais técnicos qualificados que não são apenas proficientes em tecnologias mais tradicionais de infra-estrutura local, mas também nas plataformas de cloud nuvem modernas.

A Gartner diz que os projectos de TIC com recurso a cloud computing precisam de uma integração complexa entre serviços de computação locais, plataformas externas e oferta em modelo público. São necessários engenheiros de cloud, profissionais técnicos qualificados que não são apenas proficientes em tecnologias mais tradicionais de infra-estrutura local, mas também nas plataformas de cloud nuvem modernas.

A função constitui “um papel evolutivo para uma nova era de TI”, explica o analista da Gartner, Elias Khnaser, num relatório técnico. O leque de competências vai além do domínio de qualquer área de TI específica, como a virtualização, rede ou armazenamento.

Dependendo do tamanho da organização, pode ser necessário mais do que um profissional. Os engenheiros de nuvem mais bem-sucedidos têm uma experiência significativa com os serviços actuais do fornecedor de cloud a que recorre e possuem competências para uso de “scripts” e automação, diz Khnaser.

Os profissionais técnicos que desejam evoluir para a “engenharia de cloud“ precisam, além de perceberem responsabilidades e requisitos, de desenvolver competências necessárias para implementações para funções de TIC quotidianas e também de inovação. Alguns projectos envolvem implantar estruturas de TI híbridas integrando diferentes serviços em cloud externa com o back-end e os sistemas tradicionais do centro de dados.

Muitos projectos envolvem fazer a migração de aplicações existentes, de operação quotidiana, para cloud pública numa lógica de transposição pura e simples. Mas outros implicam uma abordagem de reformulação para obter maior eficiência, agilidade e suportar uma recuperação de desastres.

“Se precisarem de uma certificação que englobe as competências que procuram, devem avançar, mesmo que seja de um fornecedor de cloud que a organização não pretenda usar”, defende Elias Khnaser (Gartner)

Khnaser diz que os profissionais interessados na função podem começar por esquematizar o conjunto das suas competências actuais e criar um plano para o desenvolvimento daquelas necessárias para o cargo. As certificações são importantes e o analista sugere que os profissionais façam cursos disponibilizados pela AWS, Cloud +, Google Cloud Platform e Microsoft Azure.

“Se precisarem de uma certificação que englobe as competências que procuram, devem avançar, mesmo que seja de um fornecedor de cloud que a organização não pretenda usar”, defende. As competências são transferíveis e oferecem “uma base sólida para seguir em frente”.

Os grupos de utilizadores, patrocinados por fornecedores e entidades independentes, podem oferecer formação gratuita, redes de contacto e de troca de conhecimento, acrescenta. Mas é preciso não deixar que a formação seja excessivamente tendenciosa em relação a qualquer fornecedor.

E garantir que tenha um foco relevante para o tamanho de sua organização, aconselha. Khnaser também recomenda a formação fora desses circuitos , já que o conhecimento sobre cloud computing está a evoluir rapidamente.

Assim considera que os cursos de grau universitário e as conferências de tecnologia são um recurso válido.”Eduquem-se sobre os recursos e as limitações dos fornecedores de cloud que a sua organização planeia usar, para poderem oferecer conselhos valiosos sobre como implementar, proteger, gerir e monitorizar volumes de trabalho com eficácia”, resume.

Autores
Tags

Artigos relacionados

O seu comentário...

*

Top